sexta-feira, 6 de março de 2015

O livro é permanente

A maior satisfação de se fazer um livro é vê-lo se "construindo". A partir do texto inicial, ir montando, passo a passo, a capa, a apresentação, o texto das orelhas, da contracapa, as fotos, e ver se o conjunto ficará bem, e verificar o que está faltando. Saber, ao ver a imagem da capa, como ela será. E aprofundar-se no conteúdo que será realçado pela forma que o livro vai tomando. Ver um livro em construção é uma experiência única, em que nenhuma etapa se adivinha: ela se revela. E essa revelação é que traz a satisfação de se fazer um livro. Conhecer cada etapa como ela aconteceu, os acasos que fizeram o livro, os erros, as omissões e os acertos. A revisão em busca da correção gramatical. A montagem do texto nas páginas. O livro como ele será lido. Descrever o futuro a partir do presente. O livro é permanente. Nós, não. Mas nosso trabalho fica, vinga. E dá frutos. Nem que seja daqui a 50 ou 500 anos.

7/03/2015 - 3h47 


Nenhum comentário:

Postar um comentário